Publicado por: felipepinheiro | abril 28, 2008

Calendarios apicolas

Calendário Apícola para a Jataí

Durante o período de julho de 1981 a junho de 1982 foi realizado um estudo com o objetivo de conhecer as espécies de abelhas que vivem no campus da USP e também, as flores visitadas por elas. A metodologia empregada baseou-se em coletas das abelhas nas flores com o auxílio de uma rede entomológica.

Durante o período de estudo foram coletadas 132 espécies de abelhas. A tabela abaixo apresenta apenas as plantas visitadas por jataí (Tetragonisca angustula) e também, a época de florescimento dessas plantas (+ = época de floração e X = pico da florada). Durante a coleta de dados foi observado o tipo de recurso floral (pólen, néctar e resina) coletado pelas operárias.

 

MESES

PLANTAS

 

J

F

M

A

M

J

J

A

S

O

N

D

Família

Nome Científico

Nome Popular

Recurso floral

X

+

+

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caryophyllaceae

Sineria armeria

alfinete

P

 

 

 

 

 

 

 

 

X

 

 

 

Anacardiaceae

Lithraea molleoides

aroeira branca

P N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

Anacardiaceae

Schinus terebinthifolius

aroeira vermelha

P N

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

 

Asteraceae

Vernonia polyanthes

assa peixe

N

1

1

 

 

 

 

 

 

 

1

1

 

Asteraceae

Aster laevis

aster, mal-me-quer

P

 

 

 

1

1

X

1

 

 

 

 

 

Sterculiaceae

Dombeya burgessiae

astrapéia

P N

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

 

 

Sterculiaceae

Dombeya wallichii

astrapéia rosa

N

 

 

 

1

1

1

1

X

1

 

 

 

Ericaceae

Rhododendron indicum

azaléa lilás

P N

 

 

 

 

 

 

 

X

1

 

 

 

Ericaceae

Rhododendron indicum

azaléa rosa

N

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Asphodelaceae

Aloe sp

babosa

N

 

 

 

X

X

1

 

 

 

1

X

 

Balsaminaceae

Impatiens balsamina

beijo

P N

 

 

 

1

1

X

1

 

 

 

 

 

Euphorbiaceae

Euphorbia pulcherrima

bico-de-papagaio

P

 

 

 

 

 

1

X

 

 

 

 

 

Lamiaceae

Iboza riparia

boldo

P N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

X

1

Elaeocarpaceae

Muntingia calabura

calabura

N

1

X

X

 

 

 

 

 

 

 

1

1

Asteraceae

Eupatorium sp

cambará-roxo, mata pasto

N

 

 

 

 

 

 

 

 

1

X

 

 

Caesalpiniaceae

Caesalpinia pelthophoroides

cesalpínia, sibipiruna

P

1

1

1

 

 

 

 

 

 

 

1

1

Apocynaceae

Thevetia peruviana

chapéu-de-Napoleão

N

 

X

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lamiaceae

Coleus sp1

cóleus

P N

1

X

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lamiaceae

Coleus sp2

cóleus

P N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

Lythraceae

Lagerstroemia indica

confete

P N

1

1

1

1

1

1

1

1

X

1

1

1

Euphorbiaceae

Euphorbia milli var. splendens

coroa-de-cristo

P N R

 

 

 

 

 

 

1

 

 

 

 

 

Euphorbiaceae

Euphorbia milli var. milli

coroa-de-cristo – grande

P R

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

X

X

Euphorbiaceae

Croton lundianus

croton

P N R

 

 

 

X

 

 

 

 

 

 

1

1

Asteraceae

Dahlia sp

dália

P N

 

 

 

 

 

 

1

1

1

1

1

 

Iridaceae

Dietes vegeta

dietes

P R

1

 

 

1

1

1

1

1

X

1

1

1

Asteraceae

Emilia sonchifolia

emília

N

X

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

Asteraceae

Eclipta alba

erva-de-botão, lanceta, surucuína

P N

X

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mimosaceae

Mimosa daleoides

espiguinha

P N

1

1

1

1

1

1

X

1

1

1

1

X

Fabaceae

Calliandra tweedii

esponjinha vermelha

N

 

 

 

 

 

 

1

X

1

1

1

 

Ranunculaceae

Delphinium sp

esporinha

P

X

1

1

1

 

 

 

 

 

 

 

1

Solanaceae

Nicotiana tabacum

fumo

P N R

X

X

1

 

 

 

 

 

 

 

 

X

Apiaceae

Foeniculum vulgare

funcho

P N

1

1

1

X

1

1

1

1

1

1

1

1

Proteaceae

Grevillea banksii

grevília

N

 

 

1

1

X

 

 

 

 

 

 

 

Asteraceae

Crotalaria sp

guizo-de-cascavel, crotalaria

N

1

X

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Asteraceae

Crotalaria lanceolata

guizo-de-cascavel

P N

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

Oleaceae

Jasminum azoricum

jamim-estrela

N R

 

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

Rutaceae

Citrus sinensis

laranjeira

N

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

Caprifoliaceae

Lonicera japonica

madressilva

N

 

 

 

 

 

 

1

 

X

 

 

 

Anacardiaceae

Mangifera indica

manga

N R

 

 

 

1

1

 

 

 

 

 

 

 

Asteraceae

Tithonia rotundifolia

margaridão amarelo

N

X

1

1

1

1

1

 

 

 

 

1

1

Lamiaceae

Ocimum kilimandscharicum

manjericão

P N

 

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

Solanaceae

Solanum americana

maria-pretinha

N

1

1

1

1

1

1

1

1

X

X

X

1

Balsaminaceae

Impatiens sultanii

maria-sem-vergonha

N

1

1

1

1

1

1

 

 

 

 

1

X

Malpighiaceae

Byrsonima intermedia

murici

P N

 

 

 

 

 

1

 

 

 

 

X

1

Capparaceae

Cleome spinosa

mussambé

P N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X

X

1

Aizoaceae

Mesembryanthemum spectabile

onze horas

P N

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X

Lamiaceae

Origanum vulgare

orégano

N

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

X

Melastomataceae

Tibouchina holosericea

orelha-de-onça

N

 

1

X

X

X

1

 

 

 

 

 

 

Arecaceae

Archontophoenix cunninghamiana

palmeira

N

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

 

Rosaceae

Prunus persica

pessegueiro

P N

 

 

 

X

 

 

 

X

 

 

 

 

Asteraceae

Bidens pilosa

picão

N

 

 

 

 

 

 

1

1

X

 

1

 

Asteraceae

Galinsoga parviflora

picão branco

N

 

 

 

 

 

 

 

1

1

 

 

 

Myrtaceae

Eugenia pitanga

pitangueira

N

 

 

 

 

 

 

 

 

1

X

1

 

Nyctaginaceae

Bougainvillea spectabilis

primavera

N

X

X

1

1

 

 

 

 

 

 

 

 

Melastomataceae

Tibouchina granulosa

quaresmeira

P N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

1

Caprifoliaceae

Sambucus australis

sabugueiro

P N

 

 

1

X

 

 

1

 

 

1

1

 

Lamiaceae

Salvia splendens

salvia vermelha

P N

 

 

1

1

 

 

 

 

 

 

 

X

Mimosaceae

Mimosa pudica

sensitiva

P

 

 

 

 

 

1

X

X

1

 

 

 

Fabaceae

Erythrina mulungu

suinã

P

 

 

 

 

X

X

 

 

 

 

1

 

Polygonaceae

Polygonum capitatum

tapete inglês

P

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X

1

 

Fabaceae

Tipuana speciosa

tipuana

P

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

X

 

Anacardiaceae

Toxicodendron verniciferum

toxicodentron

N R

1

X

X

1

 

 

 

 

 

 

 

1

Acanthaceae

Thunbergia grandiflora

tumbergia

P N

X

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1

Asteraceae

Baccharis sp

vassourinha

P N

1

1

1

1

 

 

 

 

 

X

X

X

Asteraceae

Wedelia paludosa

vedélia

N

1

1

1

1

1

 

 

 

 

1

X

1

Verbenaceae

Durante repens

violeteira

N

 

Legendas:

1 = época de floração
x = pico da florada
P = pólen
N = néctar
R = resina

Fonte:1985 – FÁTIMA DO ROSÁRIO NASCHENVENG KNOLL – Abundância relativa das abelhas no Campus da Universidade de São Paulo (23o33’S; 46o43′ W), com especial referência à Tetragonisca angustula Latreille. São Paulo, USP, 78p. Dissertação (Mestrado) Departamento de Zoologia. Orientadora: Dra. Vera Lúcia Imperatriz-Fonseca.

 

Publicado por: felipepinheiro | abril 28, 2008

Produtos das abelhas

MEL

 

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 28 gr / 01 e meia colher de sopa.

Quantidade por porção % VD *

Valor Calórico 90 Kcal 4%

Carboidratos 23 g 8%

Proteínas 0 g 0%

Gorduras Totais 0 g 0%

Sódio 0 mg 0%

*Valores Diários de referência com base em uma dieta de 2.500 calorias.

O mel é um alimento elaborado pelas abelhas, a partir do néctar coletado das flores, por isso a grande variedade de cor, aroma, sabor e densidade, pois a matéria-prima, o néctar, é diferente em cada uma das flores. Desta maneira, quando falamos “este mel é de eucalipto” queremos dizer que as abelhas utilizaram somente o néctar das flores do eucalipto, elaborando um mel com características próprias de cor, sabor e densidade; já o mel silvestre que é multifloral, mudará totalmente suas características de acordo com a vegetação da região e a época do ano que as abelhas visitarem as flores.

Lembre-se que todo mel puro está sujeito à cristalização, dentro de um período de tempo variável, conforme o tipo de florada, época de colheita e principalmente da temperatura, você poderá aquecer o mel até no máximo 50ºC para torná-lo líquido novamente, no entanto, sugerimos o hábito de consumi-lo cristalizado para garantir suas propriedades naturais. Sempre dê preferência por um mel que destaque a florada predominante, com certeza você terá um paladar superior aos dos méis misturados e homogeneizados, como os que se vendem em supermercados. Além disso, procure comprar diretamente de um apicultor profissional, pois ninguém melhor do que ele para tirar suas dúvidas sobre este maravilhoso alimento.

O mel quando coletado e manipulado dentro de normas que conservem suas propriedades naturais é composto basicamente por açucares, água, sais minerais, ácidos orgânicos, vitaminas, proteínas e alguns segredos que o homem não consegue imitar. Por isso, um bom mel usado diariamente, garante muito mais saúde para o seu organismo e conseqüentemente, você sentirá mais disposição, energia, dinamismo e ficará de bem com a vida.

GELÉIA REAL

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 01 g

Quantidade por porção % VD *

Valor Calórico 1,8 Kca 0,5%

Carboidratos 0,1 g 0,5%

Proteínas 0,2 g 0,5%

Gorduras Totais 0 g 0%

Sódio 0 mg 0%

*Valores Diários de referência com base em uma dieta de 2.500 calorias

É um alimento natural, produzido pelas abelhas para alimentação das crias e da rainha. Contém notáveis quantidades de hormônios, vitaminas, aminoácidos, enzimas, lipídeos e outras substâncias de importante ação sobre o processo de regeneração celular. Ativa as glândulas endócrinas e equilibra o neuro-psiquismo. Não se conhece na biologia e medicina, outra substância de semelhante efeito sobre o desenvolvimento e recuperação das espécies.

A geléia real é dada como alimento durante 3 dias, para todas as larvas jovens da colméia e, para a rainha, durante toda sua vida. As larvas alcançam seu maior desenvolvimento nestes 3 dias de alimentação com geléia real, aumentando seu peso em 250 vezes; a rainha que sempre receberá geléia real terá o dobro do peso da operária e sua poderá viver até 5 anos, fazendo postura de até 3000 ovos por dia, enquanto que a operária, geneticamente igual à rainha, só que não recebe a geléia real, viverá em média 40 dias. Por isso a única diferença entre a abelha rainha e as operárias é a alimentação.

A geléia real é um dos poucos alimentos que contém quase todos os componentes essenciais para o fortalecimento do organismo, por isso atua como um estimulante geral e é indicada para neurastenia, esgotamento nervoso, stress, períodos de convalescenças, regeneração de células, distúrbios do crescimento, gravidez e para crianças em desenvolvimento. É muito usado contra o cansaço, fraqueza, falta de apetite, impotência sexual, problemas cardiovasculares, menopausas e nos transtornos do comportamento, tanto na puberdade e adolescência como na senilidade. Por estas características a geléia real se faz um complemento alimentar indispensável em nosso dia-a-dia.

 

 

 
Modo de usar: A ponta de uma colher de café, que equivale a 1g (volume de um grão de feijão), de manhã em jejum, colocando a dose embaixo da língua e esperando 2 a 3 minutos para absorção sem a ação dos ácidos e enzimas estomacais. Em casos graves pode-se tomar até 3g ao dia, sempre antes das refeições. Para crianças e bebês, use doses menores, proporcionais ao peso. Lembre-se que a geléia real é um alimento e não um remédio, que fortalece o organismo e o deixa mais resistente a diversas enfermidades, porém, em caso de persistência de algum mal, procure seu médico.
PÓLEN

INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 5 g / 01 colher de sobremesa

Quantidade por porção % VD *

Valor Calórico 12,2 Kcal 0,5%

Carboidratos 1,6 g <0,5%

Lipídios <0,5 g <0,5%

Proteínas 0,9 g 0,9%

Sais <0,5 g <0,5%

Fibras <0,5 g <0,5%

*Valores Diários de referência com base em uma dieta de 2.500 calorias

O pólen é uma espécie de poeira fina encontrada nas anteras das flores, cuja função é fecundar os óvulos, representando assim o elemento masculino da sexualidade vegetal, com potencial energético suficiente para fazer nascer uma fruta ou semente, é por isso que pólen representa vida. As abelhas usam o pólen como uma importante fonte de proteínas, para alimentar suas crias e para produção de geléia real, é coletado pelas abelhas ao visitarem as flores e armazenado em local próprio de suas patas traseiras (corbícula) onde se formam os grãos de pólen, que posteriormente é retirado das abelhas através de equipamentos instalados na colméia.

Cada flor tem um pólen específico, que explica sua grande variedade de cor e paladar, variando de amargo a doce. O pólen das abelhas, ou pólen apícola, constitui um excepcional complemento alimentar que deve ser usado diariamente, puro ou misturado ao iogurte, granola, mel, saladas, etc. Sua composição e rica em proteínas, aminoácidos, vitaminas, oligoelementos e enzimas.

Para adultos recomenda-se 1 colher de sobremesa ao dia. Para crianças recomenda-se uma colher de café ao dia. Em casos de esgotamento físico e/ou mental, stress, depressão, impotência, prevenção dos problemas de próstata, anemias e queda de cabelos, dobrar a quantidade recomendada. Quando o pólen é usado diariamente, como parte de sua alimentação, com certeza você se sentirá muito mais disposto para o trabalho, lazer e esportes.

PRÓPOLIS

A própolis é uma substância produzida pelas abelhas a partir de resinas e bálsamos coletados das plantas e modificado pelas abelhas operárias através de secreções próprias. A própolis, assim como o mel, é uma substância que varia muito de acordo com a matéria-prima que é coletada das árvores, em nossa região temos a felicidade de termos uma das melhores própolis do Brasil, devido as nossas características de vegetação e clima, que propiciam às abelhas resinas de grandes propriedades antimicrobianas, anestésica, antiinflamatória, bioestimulante e dermoplástica.
A própolis há muitos anos vem sendo estudada em diversos países, que procuram cada vez mais conhecer os segredos deste espetacular alimento com valor medicinal impressionante, conforme relatam diversos pesquisadores, inclusive de universidades nacionais, que descobriram a eficiência da própolis no combate e prevenção das cáries. A própolis também é indicada para gripes, resfriados, dores de garganta, problemas de mau hálito, aftas, gengivites e como fortificante do organismo, utilizando-se 10 gotas do extrato misturada com água, suco, chás, etc. Também pode ser usado diretamente em feridas, cortes, micoses, espinhas, verrugas e frieiras tendo uma excelente ação cicatrizante. Como preventivo pode-se usar o extrato diariamente, tomando 6 gotas ao dia. Lembre-se, a própolis não é um remédio, e sim um alimento que fortalece o organismo, por isso em caso de persistência de algum mal procure o seu médico.

 

 

Publicado por: felipepinheiro | fevereiro 8, 2008

Como fazer um chamado:

Caso voce queira salvar um enxame de abelhas que esta alojado nas proximidades ou dentro de sua residencia voce pode nos contactar de duas formas:

1. forma:via e-mail – felipeaugustopinheiro@yahoo.com.br ; camila.sbianchi@gmail.com

2. via contato telefonico: 11-8747-1711 – 11-9806-8589

Obs.: De acordo com cada caso sera avaliada a necessidade de um suporte financeiro por parte do solicitante, para arcar com os custos de mobilizacao, resgate e remocao para ambiente rural. Independente de qualquer valor, nao deixe de nos contactar caso exista realmente algum enxame dentro da cidade, e com possibilidades de ser exterminado pelos orgaos publicos que atendem estes chamados!!!

a natureza agradece .

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.